Andava um homem cansado da sua cruz. Tanto se fartou que foi ter

com Deus e pediu‑lhe que lhe desse uma cruz mais pequena, porque a cruz que tinha era muito pesada e custava‑lhe a levar a vida daquela maneira.

Deus ouviu o homem com paciência. Convidou‑o a ir a um quarto onde havia uma grande variedade de cruzes. Deus disse ao homem para escolher outra que fosse então mais leve.

O homem satisfeito e contente por Deus lhe dar a oportunidade de trocar de cruz, encostou a sua à parede e começou a procurar e a escolher alguma mais ao seu jeito e mais leve. Experimentou uma comprida, mas não conseguiu equilibrá-la. Pegou numa pequena, mas era muito pesada. Experimentou outra ainda larga, mas não conseguiu levá-la às costas. E assim passou a tarde à procura de uma cruz que lhe servisse. Procurou. Procurou.Procurou. Até que encontrou!

Disse o homem a Deus que finalmente tinha uma cruz melhor, mais leve, que lhe ficava mesmo a calhar! Quando ia a partir, Deus fez-lhe ver que a nova cruz que escolhera não era senão a cruz que ele tinha trazido.

Deus não dá cruzes superiores às capacidades das pessoas. A vida que cada um de nós tem foi a vida proposta por Deus com as medidas e os pesos que nós somos capazes de aguentar. A nossa cruz é a nossa vida. A cruz dos outros é a vida dos outros. Cada um não inveje a cruz e a vida do outro, mas aceite a sua cruz, a sua vida e ajude o outro a levar a sua cruz e a sua vida. 

Vale a pena pensar nesta história!!

 

 Elizabete

Publicado por paroquiadeodeceixe às 09:59